Volkswagen Golf R – Ensaio Teste

By on 7 Julho, 2021

Volkswagen Golf R – Ensaio Teste

Texto: Guilherme André

O Golf mais potente de sempre. Mas será o melhor?

No “mundo Golf”, a sigla GTI é a que tem mais história, contudo, desde a quarta geração do modelo que surgiu um novo topo de gama, o R32. Desde então, a designação perdeu os números e, nesta oitava geração, o Volkswagen Golf R tornou-se no Golf de produção mais potente de sempre ao estar equipado com o já conhecido 2.0 litros turbo com 320 cv.


Mais:

Dinâmica impressionante; Argumentos para desportivo de dia-a-dia; disponibilidade do motor

Menos:

visual demasiado sóbrio; preço de alguns opcionais

Exterior

8/10

Exterior (8/10) No exterior, a Volkswagen mantem a filosofia que já tínhamos referido no Golf GTI. De facto, nem mesmo a versão topo de gama R diferencia em demasia das versões base do Golf, embora apresente detalhes que fazem toda a diferença como é o caso do logo R tanto na grelha como na porta da bagageira e para-choques mais agressivos. A unidade em ensaio conta ainda com o opcional sistema de escape da Akrapovic que garante duas ponteiras bem conseguidas e que dão um pouco mais de “picante” ao exterior. Em suma, o Volkswagen Golf R quase que passa despercebido no meio dos Golf base, “escondendo” assim atributos técnicos impressionantes.

Interior

8/10

Interior (8/10) Quanto ao interior, mais uma vez a Volkswagen manteve um aspeto sóbrio e simples. Ao contrário de alguns dos rivais, não temos bacquets com carbono ou grandes “brilharetes”, mas sim um espaço agradável e confortável para passar vários quilómetros. Como pode ver nas fotos da galeria, os bancos recorrem a um misto de pele, alcantara e tecido, com o logo R presente. Não são os bancos mais desportivos do segmento, mas são um dos mais versáteis ao garantirem conforto em todo o tipo de utilização. Face ao Golf GTI apresenta ainda patilhas seletoras de velocidades de maiores dimensões, uma diferença que tem um efeito positivo na condução. Destaque ainda para o botão “R” presente no volante, comando esse que, quando pressionado, ativa automaticamente o modo “Race”.

Graças aos bancos desportivos contidos, o espaço atrás é sensivelmente o mesmo das variantes base do Golf, o que tornam este desportivo num carro prático para o dia-a-dia. Tudo isto acompanhado por uma bagageira com 374 litros de volumetria. Ao nível da tecnologia temos o já conhecido painel de instrumentos digital com personalizações específicas desta variante R. O ecrã central tátil transmite as informações do mais recente sistema de infotainment da marca. Feitas as contas, o Volkswagen Golf R não tem o habitáculo mais “racing” do segmento, mas tem argumentos para ser um carro de utilização diária.

Equipamento

8/10

Equipamento (7/10) Tal como já tínhamos mencionado no ensaio do Golf GTI, também no Golf R sentimos que o recheio de equipamento de série poderia ser um pouco melhor. Exemplo disso é o facto da câmara traseira ser um opcional que acrescenta 304€ ao preço base. A unidade em ensaio costa ainda com outros opcionais como é o caso das jantes de 19 polegadas “Estoril” (746€), suspensão adaptativa DCC (787€), sistema de navegação Discover Pro (737€) ou o sistema de escape Akrapovic (3456€). Este último e a suspensão adaptativa consideramos um bom investimento para usufruir da melhor maneira de todas as capacidades do Golf R.  

Consumos

8/10

Consumos (8/10) No capítulo dos consumos, a Volkswagen anuncia um valor combinado de 7,8 l/100 km. Durante o nosso ensaio percebemos que, com um pé direito muito leve é possível andar lá perto, nos 8 l/100 km. Contudo, numa utilização “normal” pode esperar consumos a rondar os 8,8 l/100 km, o que não deixa de ser um valor satisfatório tendo em conta os atributos que possui. Apesar de ser uma proposta bem mais potente do que o GTI, apresenta consumos não muito distantes. 

Ao Volante

10/10

Ao volante (10/10) Desde o ligar da ignição que percebemos que o Volkswagen Golf R é bem mais do que uma “fera” para pista. Numa utilização quotidiana, a ter de suportar o trânsito na cidade ou de respeitar os limites de velocidade impostos nas estradas portuguesas, o melhor elogio que podemos dar ao R é que é, simplesmente, um Golf. Refinado, relativamente confortável apesar de estar equipado com jantes de 19 polegadas, consumos contidos, silencioso e tranquilo, ou seja, quase um “lobo em pele de cordeiro”. É um local agradável para passar vários quilómetros, principalmente para os clientes que o compram simplesmente por ser o Golf mais caro que existe e não tanto pelas características técnicas que possui.

Por outro lado, quando se pressiona o botão “R” no volante, o desportivo ganha toda uma nova personalidade. A direção fica mais pesada, o chassis bem mais firme e o sistema de escape Akrapovic começa a mandar “pipocas” bastante audíveis, embora tenhamos de lidar com o som artificial, comum entre os desportivos atuais. É também neste modo que percebemos que o Golf R é um verdadeiro hot hatch.

Em trajetos mais sinuosos, a poderosa travagem ajuda a traseira a deslizar, apontando a dianteira para a curva e, uma das vantagens do sistema de tração integral, é a possibilidade de acelerar bastante cedo com o veículo a sair de curva. Em várias ocasiões saímos a deslizar às quatro rodas, mas sempre com uma aderência satisfatória. De um modo geral, o Volkswagen Golf R tem uma dinâmica de condução extremamente eficaz e divertida, sempre acompanhada por uma entrega de potência expressiva.

Motor

9/10

Motor (9/10) Debaixo do capot do Volkswagen Golf R encontramos o motor 2.0 litros TSI, o mesmo utilizado no GTI. Contudo, no R debita 320 cv e 420 Nm de binário, números esses que o ajudam a ganhar o título de Golf de produção mais potente de sempre. Relativamente a performance, é possível acelerar dos 0 aos 100 km/h em 4,7 segundos e atingir uma velocidade máxima limitada a 250 km/h ou 270 km/h quando o veículo está equipado com o opcional Pack R Performance. Durante o nosso ensaio sentimos que o motor tem uma resposta impressionante desde baixa rotação, com o binário máximo a chegar logo às 2100 rpm, e mantém o andamento até esgotar rotação. Este é acompanhado pela DSG de 7 velocidades que, como já nos tem habituado, tem passagens rápidas.

Balanço Final

9/10

Balanço final (9/10) O Volkswagen Golf R é um desportivo de duas caras. Por um lado temos um carro refinado e com argumentos para uma utilização diária, como é o caso do espaço no habitáculo e uma volumetria de bagageira interessante, mas por outro, é uma verdadeira máquina quando selecionamos o modo de condução mais agressivo. Para além de uma dinâmica eficaz e até divertida, com a traseira a mostrar-se algo “atrevida”, consideramos que os escapes opcionais Akrapovic são um bom investimento porque melhoram, e muito, o lado emotivo da condução. Para além do Golf mais potente de sempre, é também um hot hatch completo. 

Concorrentes

Honda Civic Type R – Motor: quatro cilindros, 2.0 litros, turbo, gasolina; potência: 320 cv e 400 Nm de binário; tração: dianteira; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 5,8 segundos; preço base: 52 190€

Renault Mégane R.S. – Motor: quatro cilindros, 1.8 litros, turbo, gasolina; potência: 300 cv e 420 Nm de binário; tração: dianteira; aceleração dos 0 aos 100 km/h:  5,7 segundos; preço base: 44 100€

Mercedes-AMG A 35 4MATIC – Motor: Quatro cilindros, 2.0 litros, turbo, gasolina; potência: 306 cv e 400 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 4,7 segundos; preço base: 61 750€

BMW M135i xDrive – Motor: Quatro cilindros, 2.0 litros, turbo, gasolina; potência: 306 cv e 450 Nm de binário; tração: Integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 4,8 segundos; preço base: 61 780€

Audi S3 Sportback – Motor: Quatro cilindros, 2.0 litros, turbo, gasolina; potência: 310 cv e 400 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 4,8 segundos; preço base: 61 891€

Ficha Técnica

Motor                                                                            

Tipo: 4 cilindros em linha, turbo, gasolina

Cilindrada (cm3): 1984

Diâmetro x Curso (mm): 82,5 x 92,8

Taxa de Compressão: 9,6 a 1

Potência máxima (CV/rpm): 320/n.d.

Binário máximo (Nm/rpm): 420/2100-5350

Tração: integral

Transmissão: Automática (DSG) 7 velocidades

Direção: Pinhão e cremalheira, assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson / independente multibraços

Travões (fr/tr): discos ventilados / discos

Prestações e consumos 

Aceleração 0-100 km/h (s): 4,7

Velocidade máxima (km/h): 250 (270 com Pack R Performance)

Consumos misto (l/100 km): 7,8

Emissões CO2 (gr/km): 177

Dimensões e pesos 

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4290/1789/1458

Distância entre eixos (mm): 2628

Largura de vias (fr/tr mm): 1545/1523

Peso (kg): 1551

Capacidade da bagageira (l): 374

Deposito de combustível (l): 50

Pneus (fr/tr): 235/35 R19

Preço da versão ensaiada (Euros): 64 690€
Preço da versão base (Euros): 58 660€

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Exterior (8/10) No exterior, a Volkswagen mantem a filosofia que já tínhamos referido no Golf GTI. De facto, nem mesmo a versão topo de gama R diferencia em demasia das versões base do Golf, embora apresente detalhes que fazem toda a diferença como é o caso do logo R tanto na grelha como na porta da bagageira e para-choques mais agressivos. A unidade em ensaio conta ainda com o opcional sistema de escape da Akrapovic que garante duas ponteiras bem conseguidas e que dão um pouco mais de “picante” ao exterior. Em suma, o Volkswagen Golf R quase que passa despercebido no meio dos Golf base, “escondendo” assim atributos técnicos impressionantes.

Interior

Interior (8/10) Quanto ao interior, mais uma vez a Volkswagen manteve um aspeto sóbrio e simples. Ao contrário de alguns dos rivais, não temos bacquets com carbono ou grandes “brilharetes”, mas sim um espaço agradável e confortável para passar vários quilómetros. Como pode ver nas fotos da galeria, os bancos recorrem a um misto de pele, alcantara e tecido, com o logo R presente. Não são os bancos mais desportivos do segmento, mas são um dos mais versáteis ao garantirem conforto em todo o tipo de utilização. Face ao Golf GTI apresenta ainda patilhas seletoras de velocidades de maiores dimensões, uma diferença que tem um efeito positivo na condução. Destaque ainda para o botão “R” presente no volante, comando esse que, quando pressionado, ativa automaticamente o modo “Race”.

Graças aos bancos desportivos contidos, o espaço atrás é sensivelmente o mesmo das variantes base do Golf, o que tornam este desportivo num carro prático para o dia-a-dia. Tudo isto acompanhado por uma bagageira com 374 litros de volumetria. Ao nível da tecnologia temos o já conhecido painel de instrumentos digital com personalizações específicas desta variante R. O ecrã central tátil transmite as informações do mais recente sistema de infotainment da marca. Feitas as contas, o Volkswagen Golf R não tem o habitáculo mais “racing” do segmento, mas tem argumentos para ser um carro de utilização diária.

Equipamento

Equipamento (7/10) Tal como já tínhamos mencionado no ensaio do Golf GTI, também no Golf R sentimos que o recheio de equipamento de série poderia ser um pouco melhor. Exemplo disso é o facto da câmara traseira ser um opcional que acrescenta 304€ ao preço base. A unidade em ensaio costa ainda com outros opcionais como é o caso das jantes de 19 polegadas “Estoril” (746€), suspensão adaptativa DCC (787€), sistema de navegação Discover Pro (737€) ou o sistema de escape Akrapovic (3456€). Este último e a suspensão adaptativa consideramos um bom investimento para usufruir da melhor maneira de todas as capacidades do Golf R.  

Consumos

Consumos (8/10) No capítulo dos consumos, a Volkswagen anuncia um valor combinado de 7,8 l/100 km. Durante o nosso ensaio percebemos que, com um pé direito muito leve é possível andar lá perto, nos 8 l/100 km. Contudo, numa utilização “normal” pode esperar consumos a rondar os 8,8 l/100 km, o que não deixa de ser um valor satisfatório tendo em conta os atributos que possui. Apesar de ser uma proposta bem mais potente do que o GTI, apresenta consumos não muito distantes. 

Ao volante

Ao volante (10/10) Desde o ligar da ignição que percebemos que o Volkswagen Golf R é bem mais do que uma “fera” para pista. Numa utilização quotidiana, a ter de suportar o trânsito na cidade ou de respeitar os limites de velocidade impostos nas estradas portuguesas, o melhor elogio que podemos dar ao R é que é, simplesmente, um Golf. Refinado, relativamente confortável apesar de estar equipado com jantes de 19 polegadas, consumos contidos, silencioso e tranquilo, ou seja, quase um “lobo em pele de cordeiro”. É um local agradável para passar vários quilómetros, principalmente para os clientes que o compram simplesmente por ser o Golf mais caro que existe e não tanto pelas características técnicas que possui.

Por outro lado, quando se pressiona o botão “R” no volante, o desportivo ganha toda uma nova personalidade. A direção fica mais pesada, o chassis bem mais firme e o sistema de escape Akrapovic começa a mandar “pipocas” bastante audíveis, embora tenhamos de lidar com o som artificial, comum entre os desportivos atuais. É também neste modo que percebemos que o Golf R é um verdadeiro hot hatch.

Em trajetos mais sinuosos, a poderosa travagem ajuda a traseira a deslizar, apontando a dianteira para a curva e, uma das vantagens do sistema de tração integral, é a possibilidade de acelerar bastante cedo com o veículo a sair de curva. Em várias ocasiões saímos a deslizar às quatro rodas, mas sempre com uma aderência satisfatória. De um modo geral, o Volkswagen Golf R tem uma dinâmica de condução extremamente eficaz e divertida, sempre acompanhada por uma entrega de potência expressiva.

Concorrentes

Honda Civic Type R – Motor: quatro cilindros, 2.0 litros, turbo, gasolina; potência: 320 cv e 400 Nm de binário; tração: dianteira; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 5,8 segundos; preço base: 52 190€

Renault Mégane R.S. – Motor: quatro cilindros, 1.8 litros, turbo, gasolina; potência: 300 cv e 420 Nm de binário; tração: dianteira; aceleração dos 0 aos 100 km/h:  5,7 segundos; preço base: 44 100€

Mercedes-AMG A 35 4MATIC – Motor: Quatro cilindros, 2.0 litros, turbo, gasolina; potência: 306 cv e 400 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 4,7 segundos; preço base: 61 750€

BMW M135i xDrive – Motor: Quatro cilindros, 2.0 litros, turbo, gasolina; potência: 306 cv e 450 Nm de binário; tração: Integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 4,8 segundos; preço base: 61 780€

Audi S3 Sportback – Motor: Quatro cilindros, 2.0 litros, turbo, gasolina; potência: 310 cv e 400 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 4,8 segundos; preço base: 61 891€

Motor

Motor (9/10) Debaixo do capot do Volkswagen Golf R encontramos o motor 2.0 litros TSI, o mesmo utilizado no GTI. Contudo, no R debita 320 cv e 420 Nm de binário, números esses que o ajudam a ganhar o título de Golf de produção mais potente de sempre. Relativamente a performance, é possível acelerar dos 0 aos 100 km/h em 4,7 segundos e atingir uma velocidade máxima limitada a 250 km/h ou 270 km/h quando o veículo está equipado com o opcional Pack R Performance. Durante o nosso ensaio sentimos que o motor tem uma resposta impressionante desde baixa rotação, com o binário máximo a chegar logo às 2100 rpm, e mantém o andamento até esgotar rotação. Este é acompanhado pela DSG de 7 velocidades que, como já nos tem habituado, tem passagens rápidas.

Balanço final

Balanço final (9/10) O Volkswagen Golf R é um desportivo de duas caras. Por um lado temos um carro refinado e com argumentos para uma utilização diária, como é o caso do espaço no habitáculo e uma volumetria de bagageira interessante, mas por outro, é uma verdadeira máquina quando selecionamos o modo de condução mais agressivo. Para além de uma dinâmica eficaz e até divertida, com a traseira a mostrar-se algo “atrevida”, consideramos que os escapes opcionais Akrapovic são um bom investimento porque melhoram, e muito, o lado emotivo da condução. Para além do Golf mais potente de sempre, é também um hot hatch completo. 

Ficha técnica

Motor                                                                            

Tipo: 4 cilindros em linha, turbo, gasolina

Cilindrada (cm3): 1984

Diâmetro x Curso (mm): 82,5 x 92,8

Taxa de Compressão: 9,6 a 1

Potência máxima (CV/rpm): 320/n.d.

Binário máximo (Nm/rpm): 420/2100-5350

Tração: integral

Transmissão: Automática (DSG) 7 velocidades

Direção: Pinhão e cremalheira, assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson / independente multibraços

Travões (fr/tr): discos ventilados / discos

Prestações e consumos 

Aceleração 0-100 km/h (s): 4,7

Velocidade máxima (km/h): 250 (270 com Pack R Performance)

Consumos misto (l/100 km): 7,8

Emissões CO2 (gr/km): 177

Dimensões e pesos 

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4290/1789/1458

Distância entre eixos (mm): 2628

Largura de vias (fr/tr mm): 1545/1523

Peso (kg): 1551

Capacidade da bagageira (l): 374

Deposito de combustível (l): 50

Pneus (fr/tr): 235/35 R19

Preço da versão ensaiada (Euros): 64 690€
Preço da versão base (Euros): 58 660€

Preço da versão ensaiada (Euros): 64690€
Preço da versão base (Euros): 58660€