Fiat 500X 1.3 Turbo – Ensaio Teste

By on 13 Junho, 2019

Fiat 500X 1.3 Turbo DCT S-Design

Texto: Francisco Cruz

Uma questão de imagem

Versão crossover insuflado do pequeno citadino Fiat 500, o 500X entrou em 2019 com novos motores e roupagens. Com especial destaque, para o novo 1.3 Firefly Turbo de 150 cv a gasolina, embelezado com acabamento S-Design. Cuja imagem, não só diz, como vale muito!…

Conheça todas as versões e motorizações AQUI.


Mais:

Imagem; Habitabilidade; Motor

 

 

Menos:

Suspensão rija; Equipamento com lacunas; Consumos

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Pontuação: 9/10

Arrebatador. À falta de melhor, este pode muito bem ser o adjectivo que melhor resume a imagem exterior do recentemente renovado Fiat 500X, vestido com o novo nível de equipamento S-Design. E que, criado pela Fiat para as versões 2019 do 500X, 500L e 124 Spider, tem no crossover italiano, muito provavelmente, a sua expressão mais viciante!

Envergando um invulgar Verde Alpi mate que mais parece roubado aos veículos militares, conjugado no modelo italiano com várias aplicações em preto e cobre, o novo Fiat 500X S-Design torna-se um verdadeiro ladrão de olhares e expressões de deslumbre. Cativando já não só pelas dimensões generosas, mas também e principalmente, por uma garantia de diferenciação e exclusividade, que muitos dos clientes de crossovers procuram.

De resto e apesar do impacto constante que esta nova roupagem provoca, a verdade é que não ouvimos qualquer reacção de desagrado, durante o período que estivemos com o novo 500X S-Design. Mas, pelo contrário, muitas expressões de deslumbre; e, em particular, nos condutores mais jovens.

Resta agora aguardar para saber se terão correspondência nas vendas…

Interior

Pontuação: 9/10

Assumidamente diferente no exterior, o 500X S-Design estende essa mesma pretensão ao interior do habitáculo, onde domina a cor negra, pontuada em muitos revestimentos por aplicações metalizadas. Às quais se junta depois o acobreado do emblema “500”, no tablier e costas dos bancos.

Num ambiente em que é a qualidade dos materiais, mais que da construção, a sobressair, referência obrigatória para o novo painel de instrumentos analógico-digital, com ecrã TFT monocromático de 3,5″ ao centro, assim como para o também novo ecrã táctil de 7″, parte do sistema multimédia Uconnect. E que, embora contemplando Apple CarPlay e Android Auto, além do acesso a aplicações como o Twitter ou o Facebook, também podia ter ícones maiores; e, já agora, navegação…

Sem alterações significativas permanece, pelo contrário, o design, assim como o bom e correcto acesso à generalidade dos comandos, os espaços de arrumação (maioritariamente abertos), e, ainda mais importante, a habitabilidade – não somente à frente, mas também nos lugares traseiros. Onde o facto do assento ser liso e não existir praticamente túnel de transmissão, também contribui para acomodar até três ocupantes. Os quais só lamentarão um pouco mais de dificuldade no acesso ao interior…

Quanto ao condutor, não deixa de ter garantida uma posição de condução “à la SUV”, ou seja, assumidamente para o alto, embora com a vantagem de, tanto o volante, generoso nas dimensões e de óptima pega, como o banco, confortável e de razoável apoio lateral, possuírem amplas regulações, tanto em altura, como em profundidade.

De resto e além de um fácil acesso a todos os comandos verdadeiramente importantes, a presença de um razoável apoio de pé esquerdo. Com os condicionalismo a surgirem, mais, na visibilidade traseira – o óculo é pequeno e, embora existam sensores e até câmara, esta última não se mostrou particularmente nítida….

Finalmente e no que à bagageira diz respeito, uma capacidade bastante razoável para uma proposta do segmento B, a anunciar 350 litros, mas que também pode chegar aos 1000 l, mediante o accionamento das trancas no topo de costas. As quais, uma vez rebatidas ligeiramente na perpendicular, dão continuidade, de forma perfeitamente aproveitável, ao piso da mala. Onde, além de um acesso amplo, existe ainda um piso amovível, cuja colocação pode ser feita num de dois níveis; no mais alto, a garantir um alçapão de razoável capacidade a toda a dimensão do espaço. Atenuando, por exemplo, a fraca iluminação, ou até mesmo a falta de ganchos porta-sacos que impeçam as compras de acabarem espalhadas pela bagageira…

Equipamento

Pontuação: 7/10

Disponível apenas nas duas variantes maiores do 500, além de no roadster 124 Spider, o nível de equipamento S-Design aposta, acima de tudo e como o próprio nome indica, nas soluções estéticas. Deixando, porém, de fora, algumas tecnologias que, claramente, deveriam figurar de fábrica.

Assim, garantidas com esta versão, surge o aviso de transposição de faixa de rodagem (sem correcção autónoma), reconhecimento de sinais de trânsito, assistente de velocidade, Hill Holder, Cruise Control e alerta de perda de pressão nos pneus. Além dos faróis dianteiros Full LED, faróis de nevoeiro com função cornering, jantes em liga leve de 17″, barras de tejadilho longitudinais em cinzento-escuro acetinado, vidros traseiros escurecidos, travão de mão elétrico, painel de Instrumentos digital TFT monocromático 3,5″, Uconnect Link com Apple Carplay e Android Auto, serviços Uconnect LIVE (diversas aplicações como Twitter e Facebook) e rádio táctil de 7″ Uconnect LIVE.

Já fora do equipamento de série e, portanto, pagos à parte, estão o importante Pack Safety Genius (Painel de instrumentos digital TFT a cores 3,5″ + Monotorização de ângulos mortos e detecção de veículos em aproximação traseira + Travagem Autónoma de Emergência, por 500€) e o Pack Business City Cross (Ar-condicionado automático + Keyless Entry & Keyless Go + Apoio de braços dianteiro + Banco do condutor com regulação lombar elétrica + Câmara de estacionamento traseira + Sensores de estacionamento, por 1.000€), além dos sensores de chuva (100€) e luz (100€), Cruise Control Adaptativo (150€), sistema áudio Hi-Fi Beats (800€) e jantes em liga leve de 18″ em myron e detalhes acobreados S-Design (440€).

Consumos

Pontuação: 7/10

Sem qualquer modo de condução vocacionado para a contenção dos consumos, acaba sendo, precisamente, neste domínio, que o novo quatro cilindros 1.3 Firefly Turbo, equipado com caixa DCT, revela o seu maior e principal calcanhar de Aquiles.

Recorrendo apenas e só a um sistema Stop&Start, cuja acção acaba ficando muito limitada à utilização em cidade, a verdade é que os resultados obtidos pelos novo bloco a gasolina foram, nas nossas mãos, tudo menos simpáticos. Com os 150 cv do 1,3 litros a registarem, no final de um ensaio que se prolongou por vários dias e trajectos, uma média real de 9,2 l/100 km – nem mais, nem menos… apenas isso!

Ao volante

Pontuação: 8/10

Espécie de utilitário de dimensões generosas, o Fiat 500X beneficia de suspensões independentes nos dois eixos para proporcionar, invariavelmente, um comportamento são e fiável. Isto, mesmo com a maior altura ao solo a deixar sempre e em particular nos trajectos mais sinuosos, cumpridos a velocidades mais elevadas, a sua marca.

De resto, com um pisar até um pouco rude em demasia para as ambições familiares, o modelo italiano não esconde a preferência por andamentos mais descontraídos, apesar de contando com um motor que, claramente, pode proporcionar bem mais do que isso.

Com uma direcção pensada, também ela, mais para o uso citadino, a aptidão, igualmente, para algumas aventuras fora de estrada, ainda que “com conta, peso e medida”. Até porque os argumentos não vão além da maior altura ao solo, óptimos ângulos de ataque e saída, e (supostas) protecções inferiores da carroçaria; infelizmente, nenhuma delas capazes de garantir a salvaguarda, sem riscos ou toques, do apaixonante visual exterior. Que será, não temos dúvidas, para a grande maioria dos futuros proprietários deste Fiat 500X 1.3 Turbo S-Design, a maior limitação à aventura…

Concorrentes

Ford EcoSport 1.0 EcoBoost ST-Line Plus, 140cv, 11,8s 0-100 km/h, 185 km/h, 5,4 l/100 km, 147 g/km CO2, 24 862€

(Conheça todas as versões motorizações AQUI)

 

Hyundai Kauai 1.0 T-GDi Premium, 120cv, 12s 0-100 km/h, 181 km/h, 5,4 l/100 km, 146 g/km CO2, 20 166€

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões motorizações AQUI)

 

Jeep Renegade 1.3 Turbo DCT Night Eagle, 150cv, 9,4s 0-100 km/h, 196 km/h, 7 l/100 km, 163 g/km CO2, 23 582€ (preço promocional)

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões motorizações AQUI)

 

Opel Crossland 1.2T Innovation, 130cv, 9,9s 0-100 km/h, 201 km/h, 5,1 l/100 km, 118 g/km CO2, 22 660€

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões motorizações AQUI)

 

Skoda Karoq 1.5 TSI DSG Style, 150cv, 9,0s 0-100 km/h, 203 km/h, 5,6 l/100 km, 163 g/km CO2, 37 615€

(Conheça todas as versões motorizações AQUI)

 

Suzuki S-Cross 1.4T GLX, 140cv, 9,5s 0-100 km/h, 200 km/h, 6,5 l/100 km, 147 g/km CO2, 27 633€

(Conheça todas as versões motorizações AQUI)

Motor

Pontuação: 8/10

Novidade maior no que aos motores diz respeito, o 1,3 litros a gasolina, da nova família Firefly, apresenta-se como uma boa opção para quem pretenda fugir aos Diesel. Graças, desde logo, à óptima disponibilidade que se faz sentir desde as 1.850 rpm, a que acresce depois de uma rápida subida de regime, até ao red-line, às 6500 rpm.

Anunciando uma capacidade de aceleração dos 0 aos 100 km/h abaixo dos 10s, além de uma velocidade máxima oficial fixada nos 200 km, a unidade por nós ensaiada somava ainda uma caixa automática de dupla embraiagem e seis velocidades. Solução que, mesmo não nos tendo convencido por completo (por vezes, parecia esforçar demasiado e sem necessidade o quatro cilindros…), não deixa de se apresentar, como uma companhia agradável para este 1.3 Turbo. Mesmo não contando com patilhas no volante ou qualquer modo específico de funcionamento, Sport ou Eco…

Balanço final

Pontuação: 8/10

Com uma imagem de exclusividade e irreverência que será, em nossa opinião, o seu maior argumento, o renovado Fiat 500X S-Design prima ainda por uma boa funcionalidade, óptima habitabilidade, e um pequeno 1.3 Turbo de 150 cv, que só os consumos prejudicam. Na verdade, mais até que as falhas no equipamento, prontamente “justificadas” com um preço realmente competitivo e uma garantia de 5 anos ou 75.000 km, com manutenção incluída.

Ficha técnica

Motor

Tipo: quatro cilindros em linha, com injecção directa, turbocompressor e intercooler

Cilindrada (cm3): 1.332

Diâmetro x curso (mm): 70 x 86.5

Taxa compressão: 10.5:1

Potência máxima (cv/rpm): 150/5.250

Binário máximo (Nm/rpm): 270/1.850

Transmissão e direcção: Dianteira, com caixa automática de dupla embraiagem de seis velocidades; direção de pinhão e cremalheira

Suspensão (fr/tr): Independente do tipo McPherson; Independente do tipo McPherson

Travões (fr/tr): Discos ventilados/Discos

Prestações e consumos 

Aceleração: 0-100 km/h (s): 9,1

Velocidade máxima (km/h): 200

Consumos Extra-urb./urbano/misto (l/100 km): 5,9/7,4/6,5

Emissões de CO2 (g/km): 155

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4,269/2,025/1,603

Distância entre eixos (mm): 2,570

Largura das vias (fr/tr) (mm): 1.545/1.545

Peso máximo (kg): 1.320

Capacidade da bagageira (l): 350/1.000

Depósito de combustível (l): 48

Pneus (fr/tr): 225/45 R18/225/45 R18

Preço da versão ensaiada inclui desconto de campanha de 3 000€

Preço da versão ensaiada (Euros): 27986€
Preço da versão base (Euros): 26565€