Peugeot 508 SW BlueHDI 130 EAT8 – Ensaio Teste

By on 29 Agosto, 2019

Peugeot 508 SW BlueHDI 130 EAT8 Business Line

Texto: Francisco Cruz

Para empresas?! Ora essa!

A iniciar a sua segunda geração, a Peugeot 508 SW está já disponível no mercado nacional, também com uma versão Business Line. A qual, juntando ao deslumbrante design, palavras-chave como Diesel pequeno e bom equipamento de série, dá mostras de poder ir muito mais além, que o mundo das frotas!

Conheça todas as versões e motorizações AQUI.


Mais:

Consumos; Conforto; Comportamento

 

 

 

Menos:

Prestações modestas; Visibilidade traseira; Acesso mais baixo aos lugares traseiros

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Pontuação: 10/10

Depois do impacto causado, ainda em 2010, com o lançamento da primeira geração, enalteça-se agora o facto da Peugeot simplesmente não ter olhado a esforços, para voltar a surpreender (e deslumbrar!), com a nova família 508. Concebendo mesmo aquela que é – não temos dúvidas… – um dos mais belos automóveis da actualidade; também em carrinha!

Desvendada já este ano, a Peugeot 508 SW replica praticamente todos os elementos-chave de design dados a conhecer, primeiramente, com a berlina, a começar pela iluminação: uma frente fortemente agressiva e incisiva, na qual se destaca o efeito tipo “dentes de sabre” (ainda que e infelizmente, o filete luminoso só exista nas versões mais altas, a partir do GT Line…), a que se juntam farolins traseiros escurecidos, ligados entre si por uma barra negra com leão metalizado ao centro, e com as já tradicionais três “garras” vermelhas a sobressaírem. Tudo isto, perfeitamente integrado num corpo comprido e aerodinâmico, de linhas extremamente fluídas, do qual faz igualmente parte um perfil sólido e com uma linha de cintura alta, a prometer protecção aos ocupantes.

No caso da versão aqui testada e cujo nome poderá direccionar, à partida, a mente do leitor, para as empresas, as mesmas linhas deslumbrantes que facilmente enfeitiçam, não só gestores de frota, mas também qualquer particular; mesmo com os – chamemos-lhes assim – “dentes de sabre” substituídos por um simples filete metalizado, os faróis dianteiros em LED trocados para halogéneo (ainda que com luzes diurnas em LED), e as fantásticas jantes de 18 e 19 polegadas (de fábrica, apenas nas versões GT Line e GT), convertidas numa bem mais “terrena” solução de 16″, com pneus Goodyear EfficientGrip 215/60 R16.

No entanto e ainda assim… simplesmente deslumbrante!

Interior

Pontuação: 9/10

Preenchendo o olhar de quem a vê passar, a nova Peugeot 508 SW não trata pior quem nela viaja; muito pelo contrário! Num habitáculo de acesso baixo e pior através das portas traseiras, mas onde, uma vez instalados, dá gosto e prazer estar, é, aliás, fácil, ficarmos rendidos à sensação de qualidade transmitida, tanto pela construção, como pelos materiais. Com as linhas vanguardistas, nomeadamente, do tablier, a serem bem complementadas por uma notória e elogiável atenção ao pormenor.

Excelente, igualmente, a posição de condução proporcionada com o contributo do revolucionário i-Cockpit. Garantia não só de um posicionamento bastante baixo, com o condutor envolvido por um banco em tecido mas de concepção assumidamente desportiva, mas também de um novo volante, cortado na base e topo (cada vez mais parecido com os volantes da F1…), a favorecer a visibilidade do óptimo painel de instrumentos 100% digital e configurável. Com a entente a ficar concluída com a participação da fantástica consola central que, prolongando-se pelo túnel de transmissão, surge ligeiramente virada para o condutor, e com a generalidade dos botões e ecrã não somente visualmente cativantes, como também extremamente funcionais. Definitivamente, um must!…

Num habitáculo onde não faltam motivos de interesse e deslumbre, em maior número, inclusivamente, que os óptimos espaços arrumação, em bom plano surge igualmente a habitabilidade, preparada para receber até três adultos no banco de trás; ainda que, com o do meio, a não ter o mesmo nível de conforto dos restantes. Porque, apesar do desenho “escavado” das costas dos bancos traseiros e do tejadilho, assento e costas do banco do meio, são substancialmente mais “duros”…

Igualmente de nível aceitável, é a bagageira. A qual, apesar de uma capacidade inicial que não vai além dos 530 litros (há rivais a fazer melhor…), não deixa de ter acesso amplo e baixo, uma chapeleira extensível que inclusivamente sobe pelos pilares solidária com o portão, além da possibilidade de chegar aos 1.780 litros, mediante o fácil rebatimento, 60/40, embora na perpendicular, das costas dos bancos traseiros – solução, ainda assim, aproveitável, ou, pelo menos, bem mais que o pequeno alçapão por baixo do piso falso.

Equipamento

Pontuação: 9/10

Envergando apenas o segundo nível de equipamento – abaixo, só a versão de entrada Active, ao passo que, acima, estão ainda o Allure, GT Line e GT -, a Peugeot 508 SW não deixa de apresentar, de série, um recheio globalmente convincente. Fruto, desde logo, da presença de várias tecnologias.

Assim, garantido com o nível de equipamento Business Line, surgem elementos como o Pack Safety (travagem automática de emergência com alerta de risco de colisão + Alerta de transposição involuntária de linha e berma + Reconhecimento dos sinais de velocidade e preconização) e a ajuda gráfica e sonora ao estacionamento dianteiro e traseiro. Mas também a Peugeot Connect Box, navegação conectada 3D com reconhecimento vocal, ligação mãos-livres, carregamento de smartphone sem fios (quando compatível) e trancamento automático de todas as portas quando em movimento.

Presentes, ainda, os faróis dianteiros em halogéneo com luzes diurnas em LED, vidros laterais traseiros e óculo traseiro escurecidos, jantes de liga leve 16” Cypress com pneu suplente de dimensões reduzidas, retrovisores exteriores elétricos com desembaciador, rebatimento elétrico e iluminação de acolhimento em LED, banco do condutor ”AGR” mecânico e volante em couro.

Consumos

Pontuação: 9/10

Turbodiesel de prestações agradáveis, a verdade é que o 1.5 BlueHDI de 130cv proposto nesta carrinha 508, convence ainda mais nos consumos. Os quais, anunciando à partida como média oficial em trajecto combinado os 5,0 l/100 km, acabam conseguindo, quando submetidos à dura realidade, registos tão ou mais surpreendentes!

A demonstrá-lo, os 5,6 l/100 km com que terminámos o nosso ensaio, após alguns dias de utilização em cidade, seguidos de uma viagem longa. E que, pela pouca diferença face aos números avançados pelo fabricante, acabam justificando, em pleno, a nota muito positiva que lhe damos…

Ao volante

Pontuação: 9/10

Desafiante quando imóvel, a Peugeot 508 SW procura não deixar esfriar esse mesmo sentimento, quando em movimento. Oferecendo, mercê não só da excelente posição de condução, mas também de uma direcção de toque aveludado, precisa e elevada capacidade de inserção em curva, um comportamento estável, seguro e sempre controlado.

Evidenciando um excelente compromisso entre conforto e eficácia dinâmica, que nem mesmo a degradação do piso consegue beliscar (os altos pneus também ajudam…), a carrinha francesa destaca-se ainda pela facilidade de condução, fruto também da inexistência de quaisquer reacções imprevistas ou intempestivas. Convidando mesmo, quando equipada com o “nosso” BlueHDi de 130cv, a um desejável aumento de potência, que permita disfrutar em pleno das elevadas capacidades do conjunto!

Equipada, no entanto, com um bloco mais pequeno, como era o caso deste turbodiesel, menores as hipóteses de aproveitar, inclusivamente, a presença do sistema de modos de condução “Drive Select”. Que, embora propondo três modos de actuação distintos – Desporto, Normal e Eco -, poucas diferenças oferecem entre si, devido à personalidade mais descontraída do propulsor.

E a verdade é que esta Peugeot 508 SW merece mais…

Concorrentes

Hyundai i40 SW 1.7 CRDi DCT Style, 141cv, 11s 0-100 km/h, 200 km/h, 4,7 l/100 km, 123 g/km CO2, 41 355€

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Opel Insignia Sports Tourer 1.6 Turbo D Dynamic, 136cv, 10,7s 0-100 km/h, 212 km/h, 4,8 l/100 km/h, 125 g/km CO2, 38 249€

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Renault Talisman Sport Tourer 1.6 dCi Business, 130cv, 10,8s 0-100 km/h, 200 km/h, 4,0 l/100 km/h, 106 g/km CO2, 37 590€

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Skoda Superb SW 1.6 TDI DSG Ambition, 120cv, 12,1 0-100 km/h, 194 km/h, 4,5 l/100 km, 116 g/km CO2, 36 032€

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Volkswagen Passat Variant 1.6 TDI  DSG Trendline, 120cv, 11s 0-100 km/h, 204 km/h, 4,0 l/100 km, 147 g/km CO2, 37 795€

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

Motor

Pontuação: 9/10

Embora disponível igualmente com um bem mais impressionante 2.0 BlueHDi de 160cv, o Peugeot 508 SW que serviu de base a este ensaio, envergava, no entanto, o mais democrático 1.5 BlueHDi de 130cv, na variante com caixa automática de dupla embraiagem e 8 velocidades, fornecida pelos japoneses da Aisin.

Embora pequeno e de baixa cilindrada, a verdade é que este quatro cilindros turbodiesel não deixa de “levar a água ao seu moinho”. Não se atemorizando, sequer, com as dimensões de uma carrinha que, ao mesmo tempo, também faz do peso e da aerodinâmica, bons argumentos.

Desta forma e embora com a imprescindível ajuda (e eficácia) da transmissão (com modo de funcionamento semi-manual e patilhas na coluna de direcção), destaca-se a óptima disponibilidade deste 1.5, em praticamente todos os regimes, acrescida de prestações um pouco mais modestas. E que passam por uma aceleração dos 0 aos 100 km/h em 10 segundos, além de por uma velocidade máxima anunciada de 210 km/h.

Igualmente positivo, o funcionamento deste bloco, agradavelmente discreto, inclusive, com o modo “Desporto” ligado. Opção que, diga-se, não se faz sentir, sequer, no momento em que olhamos para os consumos…

Balanço final

Pontuação: 9/10

Apaixonante nas linhas exteriores, a nova Peugeot 508 SW não se fica, no entanto, por aí, acrescentando a esse decisivo atributo, também uma óptima qualidade de construção e acabamentos, excelente posição de condução, boas características familiares, além de um comportamento envolvente. Em particular, se impulsionada por um propulsor com mais impetuosidade que este 1.5 BlueHDi de 130cv – um óptimo e competente propulsor, sem dúvida, mas para a utilização familiar…

Ficha técnica

Motor

Tipo: quatro cilindros em linha a gasóleo, com injecção directa, turbocompressor de geometria variável e intercooler

Cilindrada (cm3): 1.499

Diâmetro x curso (mm): 75 x 84,8

Taxa compressão: 16,5 : 1

Potência máxima (cv/rpm): 131 / 3.750

Binário máximo (Nm/rpm): 300 / 1.750

Transmissão e direcção: Dianteira, com caixa automática de dupla embraiagem de oito velocidades; direção de pinhão e cremalheira, com assistência eléctrica

Suspensão (fr/tr): Tipo McPherson; Multibraços

Travões (fr/tr): Discos ventilados / Discos

Prestações e consumos 

Aceleração: 0-100 km/h (s): 9,9

Velocidade máxima (km/h): 208

Consumo Misto (l/100 km com WLTP): 5,0

Emissões de CO2 Combinado (g/km): 131

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4,900/1,859/1,420

Distância entre eixos (mm): 2,793

Largura das vias (fr/tr) (mm): 1,601/1,597

Peso máximo (kg): 1.480

Capacidade da bagageira (l): 530/1.780

Depósito de combustível (l): 55

Pneus (fr/tr): 215/60 R16/215/60 R16

 

Preço da versão ensaiada (Euros): 40200€
Preço da versão base (Euros): 37920€