Toyota Corolla 1.8 HSD Touring Sports – Ensaio Teste

By on 3 Julho, 2019

Toyota Corolla 1.8 HSD Touring Sports Square Collection

Texto: José Manuel Costa ([email protected])

Será a carrinha o melhor Corolla?

O regresso do Corolla fez-se com uma gama completa que oferece as opções de quatro ou cinco portas e esta versão carrinha. Que além de ser um automóvel muito bonito, é versátil o suficiente para as necessidades familiares. Por isso mesmo, na minha opinião, a melhor versão do Corolla será a carrinha denominada Touring Sports e que neste ensaio surge com a mecânica híbrida 1.8 litros com 122 CV. Veja porque razão entendo ser esta a melhor versão.


Mais:

Conforto, fácil de usar, comportamento

 

 

 

Menos:

Falta de emoção, caixa CVT

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Pontuação 7/10

A promessa de nunca mais fazer carros aborrecidos por parte do patrão da Toyota, Akio Toyoda, permitiu, não só que o Auris desaparecesse e fosse promovido o regresso do Corolla, mas também que, finalmente, a Toyota fizesse um carro que não sendo um ganhador de prémio de beleza, pelo menos é sedutor e agradável á vista. E, na minha opinião, a carrinha é mesmo a mais bonita da gama. Mas além dessa novidade de um estilo agressivo, mas com qualidade e bom gosto, o Corolla oferece mais coisas. Tem com base uma nova plataforma, a TNGA que tem como prioridade, um bom comportamento em estrada e durante o desenvolvimento, os responsáveis pelo projeto tinham como missão fazer um carro desejável. E esta carrinha, por exemplo, foi mesmo pensada para os gostos europeus! Está a perceber porque razão digo que a carrinha é a melhor versão do Corolla.

Interior

Pontuação 8/10

A posição de condução dos modelos da Toyota há muito tempo que é estranha, com o volante muito baixo que nos obriga a estar em cima do mesmo. Ora, uma das novidades é que o banco está 25 mm mais baixo que no Auris e que já não temos o volante em cima dos joelhos. Não está perfeito, mas melhorou imenso!

Olhando para a habitabilidade, à frente é excelente, atrás é um pouco mais acanhado e passageiros de maior gabarito vão ter alguma dificuldade em arrumar as pernas e, especialmente, os pés. É que se baixarmos os bancos da frente na totalidade, praticamente desaparece o espaço para colocar os pés debaixo do banco.

Ora, uma vez mais a carrinha prova que é a melhor opção, pois tem uma maior distância entre eixos e tem, verdadeiramente, mais espaço no banco traseiro, sendo uma enorme melhoria face ao Auris. Contas feitas, mais 10 cm na distância entre eixos e mais 5,8 cm de espaço atrás. Portanto, se a habitabilidade é importante, escolha esta carrinha.

No que toca à bagageira, esta versão 1.8 HSD tem uma capacidade de 598 litros, um valor muito interessante, principalmente se pensarmos que este é um carro onde há que guardar as baterias. É verdade que as carrinhas Golf, Focus e i30 têm mais espaço, já para não falar do Octavia, mas nenhuma delas tem este problema da bateria. Portanto a bagageira da Corolla Touring Sports é muito boa.

Equipamento

Pontuação 7/10  

No que toca a equipamento, uma enorme novidade é o ecrã de 7 polegadas (o equipamento de entrada não tem este ecrã) que funciona como painel de instrumentos, existindo outro ecrã, desta feita com 8 polegadas (aqui é de série em todos os modelos) onde está o Toyota Touch 2, cujas funções podem ser controladas por botões. Infelizmente, acabou-se a originalidade chegados a esta fase e os botões e o “lettering” que anuncia as funções parece saído de um Corolla de há 20 anos. Nova desilusão: o Toyota Touch 2 não foi atualizado, continua algo confuso e, para cúmulo, não tem Android Auto bem Apple CarPlay. Esta versão Square Collection oferece um nível de equipamento muito interessante, com uma oferta completa de onde destacamos o acesso e arranque mãos livres, a personalização do tejadilho (cor diferente da carroçaria), espelhos retrovisores com regulação e rebatimento elétrico e aquecimento, sensor de chuva e luz, câmara traseira de macha atrás, cruise control adaptativo, alerta de fadiga, luzes diurnas e de nevoeiro LED, ajuda ao arranque em subida e descida, ligação Bluetooth, sistema de reconhecimento de voz, ar condicionado automático bizona, entre muitas outras coisas, como o Toyota Active Sense um pacote de equipamentos cuja lista é longa: sistema de mitigação de acidente (ativo entre 10 e os 180 km/h), cruise control activo que pode parar o carro se estivermos num engarrafamento, deteção de peões e de ciclistas, aviso de desvio involuntário da faixa de rodagem e manutenção na faixa de rodagem que influi na direção para que o carro não se desvie, seja em linha reta, seja em curva.

Consumos

Pontuação 8/10

A Toyota reclama 4,5 l/100 km em ciclo misto, um valor que nunca conseguiu igualar ao longo dos muitos quilómetros que cumpri ao volante deste Corolla 1.8 HSD Touring Sports. Mas, surpresa das surpresas, o renovado sistema híbrido da Toyota, está muito melhor e contas feitas ao ensaio, a média final ficou em 5,1 l/100 km. E em certas ocasiões, foi possível, mesmo, descer dos cinco litros registando valores de 4,7 l/100 km. Se no passado critiquei as mecânicas híbridas da Toyota, desta feita tenho de elogiar pelo esforço feito e pelo facto do motor ser, agora, verdadeiramente económico. Claro que que a ajuda de um pé leve. O pior é que nem todos temos essa capacidade “zen” para andar tão devagar e com tantos cuidados com o acelerador.

Ao volante

Pontuação 7/10

Falar de modelo desportivo num carro familiar é um exagero. Percebo o puxar para esse lado, já que a plataforma TNGA é excelente e bem mais composto e rígido que o do Auris. A caixa CVT também me pareceu, finalmente, rimar melhor com o motor, embora quando puxamos mais pelo motor, lá venha o arrasto que é desagradável. Porém, vai sendo cada vez menos irritante. O Corolla mostrou-se melhor insonorizado, suave e agradável de utilizar.

Gostei da forma filtrada e refinada com que o Corolla enfrenta a estrada mais ou menos esburacada ou mais ou menos pejada de lombas. Quando a lomba é daquelas mais violentas, sentimos o toque, mas fora desse extremo, o Corolla é dos carros mais confortáveis do segmento. Partilhando com o C-HR a plataforma, o Corolla foi desenvolvido de forma diferente e por isso recebeu uma nova caixa de direção, mais rápida, uma suspensão traseira de eixo independente multibraços, mais desenvolvida e, evidentemente, um centro de gravidade mais baixo. O comportamento não é desportivo, mas o Corolla Touring Sports consegue manter ritmos elevados sem grande dificuldade e com elevada eficácia e facilidade para o utilizador. E isso é mais que suficiente.

Concorrentes

Ford Focus 1.5 Ecoboost Auto

1497 c.c. turbo a gasolina; 150 CV; 240 Nm; 0-100 km/h em 9,1 seg,; 206 km/h; 5,9 l/100 km, 134 gr/km de CO2; 26.000 euros

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Seat Leon 1.5 TSI

1498 c.c. turbo a gasolina; 150 CV; 250 Nm; 0-100 km/h em 8,3 seg,; 214 km/h; 4,5 l/100 km, 118 gr/km de CO2; 32.592 euros

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

Motor

Pontuação 7/10

O Corolla recebe o bloco 1.8 litros com ciclo Atkinson, completamente renovado, mas com as mesmas características já conhecidas dos modelos híbridos da Toyota. Mantendo a filosofia de proteção do ambiente, esta variante de 1.8 litros está focada nos baixos consumos e baixas emissões. Não tem tecnologia “Plug In” porque a Toyota entende que um híbrido que carrega ele próprio as suas baterias é mais que suficiente para conseguir, no típico trajeto pendular “casa- trabalho-casa”, fazer muitos quilómetros em modo elétrico e, consequentemente, poupar combustível. Destaque para a caixa CVT cada vez mais refinada e para o funcionamento suave e sem que se note a entrada em cena do motor de combustão interna. Um sistema híbrido cada vez melhor e que está também mais agradável de utilizar.

Balanço final

Pontuação 7/10

A carrinha é lindíssima, é um carro confortável, bem equipado e preocupado com o ambiente com esta variante mais ecológica. E a Toyota Caetano soube fazer o esforço certo para oferecer o Corolla com preços agradáveis, olhando ao equipamento oferecido, com este Corolla 1.8 HSD Square Collection a custar 32.000 euros. Como lhe tinha dito, a carrinha é mesmo o melhor Corolla pois tem mais espaço interior, é confortável, com qualidade de construção e de materiais e económica. Tem alguns problemas, é verdade, mas pelo preço, este é um carro altamente recomendável.

 

Ficha técnica

Motor

Tipo: 4 cilindros com ciclo Atkinson e motor elétrico acoplado

Cilindrada (cm3): 1798

Diâmetro x Curso (mm): nd

Taxa de Compressão: nd

Potência máxima combinada (CV/rpm): 122/5200

Binário máximo (Nm/rpm): 142/3600

Transmissão: dianteira, caixa CVT de variação contínua

Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson/Independente multibraços

Travões (fr/tr): Discos ventilados/discos

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s): 11,1

Velocidade máxima (km/h): 180

Consumos extra-urb./urbano/misto (l/100 km): – / – /4,5

Emissões CO2 (gr/km): 102

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4650/1790/1435

Distância entre eixos (mm): 2700

Largura de vias (fr/tr mm): 1530/1530

Peso (kg): 1400

Capacidade da bagageira (l): 598

Deposito de combustível (l): 43

Pneus (fr/tr): 205/45 R17

Preço da versão ensaiada (Euros): 32040€
Preço da versão base (Euros): 32040€