Toyota RAV4 Hybrid i-AWD Lounge – Ensaio Teste

By on 11 Dezembro, 2019

Toyota RAV4 Hybrid i-AWD Lounge

Texto: Francisco Cruz

Ai se os portugueses o descobrem!…

Percursor de um segmento hoje em dia em alta, o Toyota RAV4 vive, actualmente e na nossa opinião, o seu melhor período. Em particular, nesta versão híbrida de 222cv de potência, com tracção integral, visual atraente, óptimas qualidades familiares e, ainda por cima, a pagar apenas Classe 1 nas portagens. Em suma, a concorrência que se cuide, se um dia os portugueses o descobrem…

Conheça todas as versões e motorizações AQUI.


Mais:

Conforto; Habitabilidade; Sistema híbrido

 

 

 

 

Menos:

Motor muito ruidoso nas acelerações mais fortes; Comportamento pouco envolvente; Plásticos

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Pontuação: 9/10

Nesta quinta geração a léguas daquilo que era o modelo original, lançado em 1994, o Toyota RAV4 está, hoje em dia, incomparavelmente mais atraente e estiloso. Desde logo, por juntar a uma nova e mais versátil plataforma, a Toyota New Generation Architecture K (TNGA K ou GA K), uma estética cada vez mais cativante e personalizada!

A contribuir para esta impressão, não somente a nova linguagem de design Cross-Octagon, como também uma série de pormenores estilísticos, particularmente bem conseguidos, na nova frente – bem mais vibrante, em resultado de umas ópticas mais rasgadas e com luzes de dia LED integradas, assim como de uma grelha que, embora bipartida, não deixa de destacar a figura geométrica do octógono.

Finalmente, num perfil de linha de cintura alta, a procurar transmitir solidez e segurança, cavas das rodas levemente quadradas com rebordo contrastante a negro, a emoldurarem jantes em liga leve de 18″, também pretas.

A mesma cor que, aliás, é sinónimo do tejadilho Night Sky, uma das particularidades da versão aqui ensaiada, a topo-de-gama Lounge. E da qual fazem ainda parte os vidros traseiros escurecidos, o portão elétrico da bagageira com sensor de movimento e o sistema de acesso sem chave Smart & Entry.

Tudo isto, a cativar ainda no primeiro olhar e antes mesmo de entrarmos no habitáculo…

Interior

Pontuação: 9/10

Consumado o acesso fácil ao habitáculo, independentemente do lugar onde nos instalemos, a confirmação da já conhecida solidez de construção, num habitáculo em que são os revestimentos que maior evolução representam; algo que, diga-se, não acontece apenas nesta versão de topo, mas também noutros níveis de equipamento mais acessíveis…

Igualmente merecedor de elogios, é a funcionalidade, garantida não somente pelos vários e bons espaços de arrumação, como também pela grande maioria de botões e comandos. Os quais, com a sua correcta disposição, acabam por contribuir para o elevar da ergonomia no interior do RAV4.

Ainda neste último aspecto, gostámos, particularmente, dos generosos e muito agradáveis ao toque botões rotativos do ar condicionado, mas também do não menos volumoso (e destacado!) ecrã táctil do sistema de infoentretenimento – claramente inspirado no do C-HR, não lhe faltam sequer botões físicos de acesso directo às funcionalidades, a acompanhar os comandos para o som e ajuste manual de algumas funções.

A pensar especificamente no condutor, uma posição de condução correcta e muito confortável, oferecida por um banco de linhas desportivas, em couro (de série nesta versão Lounge), e a garantir um correcto acesso à generalidade dos comandos. Bem melhor, de resto, que visibilidade exterior, limitada, mas que o sistema de câmaras 360 graus procura, conjuntamente com os sensores, atenuar. Ainda que, para trás, a definição da imagem pudesse ser melhor…

Excelente, a habitabilidade, também nos lugares traseiros, onde facilmente se acomodam três adultos, com muito espaço para pernas e em altura. Sendo que o banco traseiro também pode rebater as costas 60/40, praticamente na horizontal e no seguimento do piso da mala. Garantindo, desta forma, um substancial aumento da capacidade de bagageira, à partida já com bastante arrumação (580 litros) e funcionalidade, fruto não só da presença de um portão de accionamento elétrico e acesso amplo, como também de vários espaços de arrumação por baixo e nas laterais deste.

Pouco convincente? Só mesmo a falta de luz e de ganchos porta-sacos, importantes num espaço generoso como é a bagageira do RAV4, e, já agora, o funcionamento vetusto da chapeleira extensível – claramente, podia ser melhor…

Equipamento

Pontuação: 9/10

Envergando o nível de equipamento de topo, Lounge, o Toyota RAV4 passa a exibir um equipamento de série, sem dúvida, praticamente sem lacunas. Descartando, mesmo, qualquer necessidade de recorrer à lista de opcionais… a não ser, talvez, para incluir uma pintura metalizada (414,63€)!

Assim e numa proposta que cativa, desde logo, ao olhar, assegurados estão, à partida e além dos equipamentos já referidos na análise ao exterior, elementos como a dupla saída de escape, o tecto panorâmico com abertura elétrica, faróis LED com projector, luzes de máximos com controlo automático,  luzes traseiras também em LED, sistema de infoentretenimento Toyota Touch 2 com ecrã de 8″ e sistema de navegação, sistema de som JBL, ar condicionado automático, espelho retrovisor digital “Smart View” (replica a imagem captada pela câmara traseira), Cruise Control Adaptativo com função “full stop”, bancos dianteiros aquecidos, carregador sem fios para smartphone e ECrã TFT a cores de 7″.

Falando de sistemas de segurança, garantidos estão os sensores de estacionamento atrás e à frente, câmara panorâmica  360 graus, câmara traseira, detecção traseira de aproximação de veículos da lateral com assistência à travagem, sistema de pré-colisão com detecção de peões e de ciclistas, reconhecimento de sinais de trânsito e Assistência à Condução Inteligente.

E se a isto juntarmos ainda sete anos de garantia e a Classe 1 mediante utilização da Via Verde ou apresentação de “Cartão Credencial Classe 1” disponibilizado pela Brisa…

Consumos

Pontuação: 9/10

Penalizado, em certas situações, com uma sonoridade… gritante, a verdade é que o sistema propulsor híbrido do novo Toyota RAV4 AWD-i quase consegue fazer esquecer este “pecadilho”, quando decidimos fazer contas aos consumos. Isto, porque só podemos ficar contentes com o resultado!

Falando especificamente do resultado obtido neste ensaio, o qual se prolongou por vários dias e abarcou as mais variadas situações, uma média de consumo registada no computador de bordo que não ultrapassou os 6,1 l/100 km. E que foi o resultado, não tanto de quaisquer cuidados especiais na condução, mas bem mais do bom desempenho do sistema propulsor 2.5 Hybrid Dynamic Force…

Ao volante

Pontuação: 9/10

Construído a partir da nova plataforma TNGA K, sinónimo de maior leveza, mais baixo centro de gravidade e maior rigidez, a actual quinta geração do Toyota RAV4 partiu, assim, de uma óptima base de trabalho, para garantir um desempenho dinâmico convincente. No caso específico desta variante AWD-i, resultado igualmente do apoio dado por sistema de tracção integral inteligente que, tanto consegue funcionar como um mero tracção dianteira, como distribuir a potência disponível, até 20% para as rodas da frente, e 80% para as de trás.

Passível de intervenção do condutor, no entanto, apenas o sistema de quatro modos de condução – Normal, Eco, Sport e Trail -, cuja selecção é feita através de um botão rotativo junto à caixa. E que, alterando o tipo de resposta do propulsor, o peso da direcção e a distribuição do binário pelas quatro rodas, consoante o modo escolhido, contribui para algumas diferenças na resposta do conjunto à vontade do condutor.  Mesmo que, a ritmos mais elevados e por trajectos mais sinuosos, ainda que com bom piso, a suspensão não esconda uma certa permissividade, suficiente, aliás, para aconselhar a um levantar do pé do acelerador e à adopção de ritmos mais tranquilos, descontraídos e agradáveis.

Quanto e especificamente ao modo Trail, a garantia da ajuda-extra de um diferencial autoblocante automático, só disponível nesta versão 4×4, e que vem acrescer ao óptimo conforto oferecido pela suspensão, uma maior segurança em pisos de menor tracção. Como é o caso do muito vulgar alcatrão molhado…

Convincente também em cidade, onde se afirma através de uma condução fácil e descontraída, ao mesmo tempo que nos convida a fazer boa figura, circulando em modo EV ou 100% elétrico (só é pena que não dure mais de dois ou três quilómetros…), boas sensações também em auto-estrada e a velocidades mais elevadas, onde o conforto, transmitido também pela direcção, faz de qualquer viagem, momento para disfrutar; não só pelo condutor, como também pelo resto da família…

Concorrentes

Mitsubishi Outlander 4WD PHEV Instyle, 135cv, 11,0s 0-100 km/h, 170 km/h, 1,7 l/100 km, 40 g/km CO2, 44 785€ (preço de campanha para particulares)

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Kia Sportage 1.6 CRDi ISG 7DCT MHEV GT Line, 136cv, 11,8s 0-100 km/h, 180 km/h, 5,8 l/100 km, 152 g/km CO2, 36.240€ (preço de campanha de lançamento)

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Motor

Pontuação: 8/10

Disponível igualmente numa versão de tracção apenas dianteira… e 218 cv de potência, o Toyota RAV4 Hybrid AWD-i diferencia-se da primeira, desde logo, por contar com um motor elétrico a mais, ou seja, dois. E que, disposto sobre o eixo traseiro, vem contribuir não somente com um acréscimo de 54 cv de potência e 121 Nm de binário, como também com a garantia de tracção integral permanente e de actuação inteligente.

Com a gestão dos dois tipos de motorização entregue a uma transmissão automática do tipo e-CVT, ou seja, de variação contínua, e com seis relações, podendo as passagens ser feitas, no modo semi-manual, tanto na manche, como através das (pequenas) patilhas colocadas nos braços do volante, elogios para a forma (quase) perfeita e discreta como os três motores se complementam, sem grandes preocupações para o condutor, que apenas tem de pressionar o acelerador… preferencialmente, sem abusar. Pois, embora o funcionamento deste sistema híbrido revele franca evolução, nomeadamente, quanto ao arrastamento que denotava, acelerações a fundo continuam a ser “premiadas” com a uma sonoridade demasiado presente e esforçada, dentro do habitáculo.

Controlado o ímpeto sobre o acelerador, um funcionar muito mais agradável, mantendo-se sempre a possibilidade de recurso aos 222 cv de potência conjunta, e que são garantia não apenas de uma velocidade máxima não muito elevada (180 km/h), mas também e principalmente, de uma aceleração dos 0 -100 km/h em cerca de oito segundos.

Acrescida de forte presença sonora, é certo, mas, ainda assim, bom, sem dúvida…

 

Balanço final

pontuação: 9/10

Primeiro de muitos que hoje em dia disputam o apetecível mercado dos SUV e crossovers, o Toyota RAV4 Hybrid AWD-i Lounge apresenta-se, nesta sua quinta geração, e em particular nesta versão híbrida 4×4, como um produto capaz de se posicionar na frente da corrida dos SUV médios – possui uma imagem exterior atraente, um habitáculo com muito espaço e conforto, óptimo equipamento, além de recorrer a um sistema de propulsão híbrido, não somente potente, como agradável e poupado na utilização. E se a isto juntarmos ainda a eficácia e segurança acrescidas fornecidas por um sistema de tracção integral inteligente, assim como a possibilidade de pagamento de apenas Classe 1 nas portagens… ai da concorrência, se os portugueses o descobrem!

 

Ficha técnica

Motor de combustão

Tipo: quatro cilindros em linha a gasolina, com injecção indirecta/directa D-4S

Cilindrada (cm3): 2.487

Diâmetro x curso (mm): 87.50 x 103.48

Taxa compressão: 14.0:1

Potência máxima (cv/rpm): 177/6.000

Binário máximo (Nm/rpm): 221/3.600-5.200

Motores eléctricos (2)

Tipo: síncrono, de magneto permanente

Bateria/Voltagem (V): hidretos metálicos de níquel/650

Potência máxima (cv/kW): 120/88 + 54/40

Binário máximo (Nm): 202 + 121

Potência combinada motor de combustão + motor elétrico (cv/kW): 222/163

Transmissão e direcção

Transmissão: integral, com caixa automática do tipo CVT, de seis velocidades

Direcção: Cremalheira, com assistência eléctrica

Suspensão (fr/tr): independente do tipo McPherson; Wishbone duplo

Travões (fr/tr): Discos ventilados/Discos ventilados

Prestações e consumos 

Aceleração: 0-100 km/h (s): 8,1

Velocidade máxima (km/h): 180

Consumos combinado (l/100 km): 5,8

Emissões de CO2 (g/km): 131

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4,600/1,855/1,685

Distância entre eixos (mm): 2,690

Largura das vias (fr/tr) (mm): 1,610/1,640

Peso (kg): 1.750

Capacidade da bagageira (l): 580

Depósito de combustível (l): 55

Pneus (fr/tr): 225/60 R18 / 225/60 R18

Preço da versão ensaiada (Euros): 54789€
Preço da versão base (Euros): 46090€