BMW iX3 – Ensaio Teste

By on 31 Julho, 2021

BMW iX3 – Ensaio Teste

Texto: Guilherme André

O X3 precisava de uma versão 100% elétrica?

Hoje, a eletrificação é a verdadeira tendência da indústria automóvel, tal como também o é a carroçaria SUV. Juntando os dois num só, a BMW decidiu aumentar a gama do X3 com o novo modelo 100% elétrico BMW iX3. Longe de ser o primeiro 100% elétrico da marca, título de esse que pertence ao já “veterano” BMW i3, o iX3 surge como a propulsão que faltava ao modelo, deixando assim o X3 com opções a combustão convencionais, híbrido plug-in e elétrico, algo que acontece pela primeira vez na história da BMW. Mas será que tem argumentos para vingar?


Mais:

Design exterior, autonomia, conforto

Menos:

preço

Exterior

8/10

Exterior (8/10) Relativamente ao exterior, não são linhas desconhecidas na BMW. Com base no X3, modelo esse que tem provas dadas, conta apenas com alguns detalhes exclusivos que o diferenciam das restantes versões. De facto, o BMW iX3 dispensa a grelha frontal aberta em detrimento de um painel com pequenos relevos e, para além disso, diferencia-se pela utilização da cor azul em vários detalhes. É caso disso o rebordo da grelha dianteira, símbolos, inserções nos para-choques e nas laterais. Tudo isto acompanhado pela letra “i” nos guarda-lamas dianteiros e por um formato de jantes específica desta versão. De um modo geral é marcadamente um X3, mas com um “fato feito à medida” para esta versão elétrica.

Interior

8/10

Interior (8/10) Tal como no exterior, também no interior não há grandes novidades. Assim, o condutor tem à sua frente um painel de instrumentos digital, ladeado por um ecrã central onde são transmitidas as informações do sistema de infotainment. Sistema esse que, tal como seria de esperar, apresenta menus específicos da versão elétrica, como por exemplo, todas as informações referentes ao carregamento. Tal como acontece em todos os outros BMW, este sistema é rápido e fácil de utilizar, com o bónus de termos um comando rotativo na consola central que permite ao condutor percorrer os menus sem tirar os olhos da estrada. O sentido prático é ainda sentido pela manutenção dos botões físicos para comandar coisas como ar condicionado ou os diferentes modos de condução.

No que toca a habitabilidade é em tudo semelhante ao X3, visto que recorre à mesma base, mas com algumas alterações para suportar a inclusão da bateria de 80 kWh. Assim, é possível transportar quatro adultos sem qualquer tipo de desconforto ou falta de espaço. Contudo, ao não recorrer a uma plataforma dedicada a carros elétricos, como acontece, por exemplo, no Volkswagen ID.4, o lugar do meio é prejudicado por um túnel central intrusivo. Relativamente à bagageira, esta apresenta-se com 510 litros, volumetria 40 litros inferior face às versões a combustão, contudo, é 60 litros superior aos híbridos plug-in. Ao contrário de alguns rivais o iX3 não tem uma “frunk” e, ao abrir do capot, somos presenciados com um enorme plástico que “tapa” toda a secção dianteira do veículo.

Equipamento

7/10

Equipamento (7/10) No capítulo do equipamento, o BMW iX3 em ensaio recorre à versão “Impressive” que aumenta o valor total em 5204€. Ao selecionar esta versão pode contar com coisas como jantes de 20 polegadas com pneus mistos, sistema de acesso Comfort, vidros com proteção acústica, bancos dianteiros desportivos, aquecidos, com apoio lombar e ajuste de largura no banco do condutor, BMW IconicSounds Electric, faróis LED adaptativos, assistente de estacionamento plus, head-up display, sistema de som premium Harman/Kardon, conectividade e carregamento wireless ao smartphone. A unidade em questão conta ainda com o pack Advantage (634€) e frisos interiores em alumínio com acabamento cromado Pearl (138€).

Consumos

7/10

Consumos (7/10) No que diz respeito a consumos, a BMW anuncia uma média de 17,5 a 17,8 kWh aos 100 km. Durante o nosso ensaio percebemos que esse valor é fácil de alcançar ao registarmos uma média de 17 kWh nos primeiros 100 quilómetros do nosso ensaio. Caso queira explorar todo o potencial do motor elétrico pode esperar, naturalmente, uma subida nos valores para perto dos 20 kWh, ou seja, não vai conseguir percorrer os 458 km de autonomia anunciada.

Quanto chega a altura de fazer o carregamento, saiba que o BMW iX3 permite até 150 kW de potência de carregamento em postos DC e, deste modo, é possível ter até 80% de carga em meros 30 minutos. O tempo sobe para 7,5 horas numa wallbox trifásica (11 kW).

Ao Volante

8/10

Ao volante (8/10) Ao iniciar marcha, uma das primeiras impressões deixadas pelo BMW iX3 foi a muito boa insonorização. De facto, é um espaço pacífico para se passar vários quilómetros ao estarmos numa espécie de “bolha” onde o mundo lá fora parece muito mais silencioso. Apesar de ter capacidades dinâmicas semelhantes às dos restantes X3, o peso superior a 2.2 toneladas faz-se sentir a um ritmo mais elevado ao registarmos algum adornar de carroçaria. Ainda assim, mesmo com pneus mistos, demonstrou reações previsíveis e fáceis de resolver. Já em trajetos mais degradados a suspensão consegue filtrar da melhor maneira as saliências da estrada, conferindo um conforto muito positivo a todos os passageiros.

Motor

8/10

Motor (8/10) O motor elétrico do BMW iX3 debita 286 cv e 400 Nm de binário, potência suficiente para fazer com que o SUV com mais de 2 toneladas acelere dos 0 aos 100 km/h em 6,8 segundos, enquanto a velocidade máxima é de 180 km/h. Está longe de ser o SUV elétrico mais potente do mercado, mas tem força suficiente para “fugir” ao trânsito ao abrir do semáforo. Contudo, uma das grandes virtudes desta motorização é a eficiência, tal como é demonstrado em cima no capítulo dos consumos.

Balanço Final

8/10

Balanço Final (8/10) Numa altura em que os consumidores começam a “pedir” mais carros elétricos, as marcas estão a ser quase obrigadas a reagir e a seguir uma tendência que, quer queiramos, quer não, foi iniciada pela Tesla. O BMW iX3 provou durante o nosso ensaio que é uma proposta com argumentos válidos para vingar no segmento de SUV médios elétricos. Porém, o facto de se tratar de um modelo que nasce do ajuste de uma plataforma já existente, faz com que fique em ligeira desvantagem para alguns rivais 100% elétricos que nasceram de uma plataforma criada de raiz. Ainda assim, os mais de 450 km de autonomia são uma mais valia, valor esse facilmente alcançável caso o condutor tenha algum cuidado no pé direito. Talvez um dos pontos menos positivos seja o preço base de 72 600€, valor esse que é 11 600€ superior ao do X3 sDrive18d (gasóleo) e 7300 € superior ao X3 xDrive30e (híbrido plug-in).

Concorrentes

Mercedes EQC 400 4MATIC – Motor: 2 motores elétricos; potência: 408 cv e 760 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 5,1 segundos; autonomia: 417 km; preço base: 71 900 €

Audi e-tron 50 quattro – Motor: 2 motores elétricos; potência: 313 cv e 540 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 6,8 segundos; autonomia: 339 km; preço base: 72 720 €

Jaguar I-Pace – Motor: 2 motores elétricos; potência: 400 cv e 696 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 4,8 segundos; autonomia: 470 km; preço base: 81 788€

Ficha Técnica

Motor 

Tipo: elétrico

Capacidade da bateria (kWh): 80 (74 de capacidade útil)

Potência máxima (CV/rpm): 286/nd

Binário máximo (Nm/rpm): 400/nd

Transmissão: automática de 1 velocidade

Tração: traseira

Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson / paralelograma deformável

Travões (fr/tr): discos ventilados/ discos ventilados

Prestações e consumos 

Aceleração 0-100 km/h (s): 6,8

Velocidade máxima (km/h): 180

Autonomia anunciada (km): 458

Consumos misto (kWh/100 km): 17,5 – 17,8

Emissões CO2 (gr/km): 0 

Dimensões e pesos 

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4734/1891/1668

Distância entre eixos (mm): 2864

Peso (kg): 2260

Capacidade da bagageira (l): 510

Pneus (fr/tr): 245/45 R20 / 275/40 R20

Preço da versão ensaiada (Euros): 81 233€
Preço da versão base (Euros): 72 600€

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Exterior (8/10) Relativamente ao exterior, não são linhas desconhecidas na BMW. Com base no X3, modelo esse que tem provas dadas, conta apenas com alguns detalhes exclusivos que o diferenciam das restantes versões. De facto, o BMW iX3 dispensa a grelha frontal aberta em detrimento de um painel com pequenos relevos e, para além disso, diferencia-se pela utilização da cor azul em vários detalhes. É caso disso o rebordo da grelha dianteira, símbolos, inserções nos para-choques e nas laterais. Tudo isto acompanhado pela letra “i” nos guarda-lamas dianteiros e por um formato de jantes específica desta versão. De um modo geral é marcadamente um X3, mas com um “fato feito à medida” para esta versão elétrica.

Interior

Interior (8/10) Tal como no exterior, também no interior não há grandes novidades. Assim, o condutor tem à sua frente um painel de instrumentos digital, ladeado por um ecrã central onde são transmitidas as informações do sistema de infotainment. Sistema esse que, tal como seria de esperar, apresenta menus específicos da versão elétrica, como por exemplo, todas as informações referentes ao carregamento. Tal como acontece em todos os outros BMW, este sistema é rápido e fácil de utilizar, com o bónus de termos um comando rotativo na consola central que permite ao condutor percorrer os menus sem tirar os olhos da estrada. O sentido prático é ainda sentido pela manutenção dos botões físicos para comandar coisas como ar condicionado ou os diferentes modos de condução.

No que toca a habitabilidade é em tudo semelhante ao X3, visto que recorre à mesma base, mas com algumas alterações para suportar a inclusão da bateria de 80 kWh. Assim, é possível transportar quatro adultos sem qualquer tipo de desconforto ou falta de espaço. Contudo, ao não recorrer a uma plataforma dedicada a carros elétricos, como acontece, por exemplo, no Volkswagen ID.4, o lugar do meio é prejudicado por um túnel central intrusivo. Relativamente à bagageira, esta apresenta-se com 510 litros, volumetria 40 litros inferior face às versões a combustão, contudo, é 60 litros superior aos híbridos plug-in. Ao contrário de alguns rivais o iX3 não tem uma “frunk” e, ao abrir do capot, somos presenciados com um enorme plástico que “tapa” toda a secção dianteira do veículo.

Equipamento

Equipamento (7/10) No capítulo do equipamento, o BMW iX3 em ensaio recorre à versão “Impressive” que aumenta o valor total em 5204€. Ao selecionar esta versão pode contar com coisas como jantes de 20 polegadas com pneus mistos, sistema de acesso Comfort, vidros com proteção acústica, bancos dianteiros desportivos, aquecidos, com apoio lombar e ajuste de largura no banco do condutor, BMW IconicSounds Electric, faróis LED adaptativos, assistente de estacionamento plus, head-up display, sistema de som premium Harman/Kardon, conectividade e carregamento wireless ao smartphone. A unidade em questão conta ainda com o pack Advantage (634€) e frisos interiores em alumínio com acabamento cromado Pearl (138€).

Consumos

Consumos (7/10) No que diz respeito a consumos, a BMW anuncia uma média de 17,5 a 17,8 kWh aos 100 km. Durante o nosso ensaio percebemos que esse valor é fácil de alcançar ao registarmos uma média de 17 kWh nos primeiros 100 quilómetros do nosso ensaio. Caso queira explorar todo o potencial do motor elétrico pode esperar, naturalmente, uma subida nos valores para perto dos 20 kWh, ou seja, não vai conseguir percorrer os 458 km de autonomia anunciada.

Quanto chega a altura de fazer o carregamento, saiba que o BMW iX3 permite até 150 kW de potência de carregamento em postos DC e, deste modo, é possível ter até 80% de carga em meros 30 minutos. O tempo sobe para 7,5 horas numa wallbox trifásica (11 kW).

Ao volante

Ao volante (8/10) Ao iniciar marcha, uma das primeiras impressões deixadas pelo BMW iX3 foi a muito boa insonorização. De facto, é um espaço pacífico para se passar vários quilómetros ao estarmos numa espécie de “bolha” onde o mundo lá fora parece muito mais silencioso. Apesar de ter capacidades dinâmicas semelhantes às dos restantes X3, o peso superior a 2.2 toneladas faz-se sentir a um ritmo mais elevado ao registarmos algum adornar de carroçaria. Ainda assim, mesmo com pneus mistos, demonstrou reações previsíveis e fáceis de resolver. Já em trajetos mais degradados a suspensão consegue filtrar da melhor maneira as saliências da estrada, conferindo um conforto muito positivo a todos os passageiros.

Concorrentes

Mercedes EQC 400 4MATIC – Motor: 2 motores elétricos; potência: 408 cv e 760 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 5,1 segundos; autonomia: 417 km; preço base: 71 900 €

Audi e-tron 50 quattro – Motor: 2 motores elétricos; potência: 313 cv e 540 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 6,8 segundos; autonomia: 339 km; preço base: 72 720 €

Jaguar I-Pace – Motor: 2 motores elétricos; potência: 400 cv e 696 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 4,8 segundos; autonomia: 470 km; preço base: 81 788€

Motor

Motor (8/10) O motor elétrico do BMW iX3 debita 286 cv e 400 Nm de binário, potência suficiente para fazer com que o SUV com mais de 2 toneladas acelere dos 0 aos 100 km/h em 6,8 segundos, enquanto a velocidade máxima é de 180 km/h. Está longe de ser o SUV elétrico mais potente do mercado, mas tem força suficiente para “fugir” ao trânsito ao abrir do semáforo. Contudo, uma das grandes virtudes desta motorização é a eficiência, tal como é demonstrado em cima no capítulo dos consumos.

Balanço final

Balanço Final (8/10) Numa altura em que os consumidores começam a “pedir” mais carros elétricos, as marcas estão a ser quase obrigadas a reagir e a seguir uma tendência que, quer queiramos, quer não, foi iniciada pela Tesla. O BMW iX3 provou durante o nosso ensaio que é uma proposta com argumentos válidos para vingar no segmento de SUV médios elétricos. Porém, o facto de se tratar de um modelo que nasce do ajuste de uma plataforma já existente, faz com que fique em ligeira desvantagem para alguns rivais 100% elétricos que nasceram de uma plataforma criada de raiz. Ainda assim, os mais de 450 km de autonomia são uma mais valia, valor esse facilmente alcançável caso o condutor tenha algum cuidado no pé direito. Talvez um dos pontos menos positivos seja o preço base de 72 600€, valor esse que é 11 600€ superior ao do X3 sDrive18d (gasóleo) e 7300 € superior ao X3 xDrive30e (híbrido plug-in).

Ficha técnica

Motor 

Tipo: elétrico

Capacidade da bateria (kWh): 80 (74 de capacidade útil)

Potência máxima (CV/rpm): 286/nd

Binário máximo (Nm/rpm): 400/nd

Transmissão: automática de 1 velocidade

Tração: traseira

Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson / paralelograma deformável

Travões (fr/tr): discos ventilados/ discos ventilados

Prestações e consumos 

Aceleração 0-100 km/h (s): 6,8

Velocidade máxima (km/h): 180

Autonomia anunciada (km): 458

Consumos misto (kWh/100 km): 17,5 – 17,8

Emissões CO2 (gr/km): 0 

Dimensões e pesos 

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4734/1891/1668

Distância entre eixos (mm): 2864

Peso (kg): 2260

Capacidade da bagageira (l): 510

Pneus (fr/tr): 245/45 R20 / 275/40 R20

Preço da versão ensaiada (Euros): 81 233€
Preço da versão base (Euros): 72 600€

Preço da versão ensaiada (Euros): 81233€
Preço da versão base (Euros): 72600€