Volkswagen T-Roc 1.0 115 cv – Ensaio

By on 13 Dezembro, 2017

Volkswagen T-Roc

Texto: André Durate ([email protected])

Modernidade pragmática

Para que nada falte na gama SUV da Volkswagen, a marca lançou o T-Roc. O modelo que é fabricado na AutoEuropa, em Palmela, vem juntar-se aos irmãos Tiguan, Tiguan Allspace e Touareg. Fomos descobri-lo na versão a 1.0l a gasolina com 115 cv…

Exterior

Nascendo naturalmente à luz da nova filosofia de design da marca, combinando um aspeto de espírito aventureiro e moderno, o Volkswagen T-Roc caracteriza-se por uma carroçaria de linhas definidas – retas e esculpidas – a que junta pormenores que lhe garantem um laivo de off road, num modelo de medidas perfeitamente talhadas para ambientes urbanos e que tem por base a plataforma modular transversal (MQB) da marca – comprimento de 4234 mm (252 mm menos que o Tiguan); distância entre eixos de 2590 mm; largura de 1.819 mm; altura de 1573 mm.

A frente destaca-se pela grelha do radiador com faróis duplos integrados, sobressaindo também o capot, que em ambas as zonas laterais apresenta um vincado desnível com um efeito convergente para a dianteira. No caso da versão ensaiada, Style, destaque para os faróis LED; incorporação de uma caixa individual para os piscas e a luz de condução diurna/luz de curva estática no pára-choques.

Na lateral destaque para os pneus 215/55 R17, em que, ao contrário do habitual nos dias de hoje, temos uma boa espessura de pneu em relação à jante – que ajuda no conforto. Os plásticos que contornam a zona inferior da carroçaria dão-lhe um cunho aventureiro.

A traseira é onde encontramos uma estética mais aguerrida, com uma linha de cintura vincada e um expressivo difusor. Destaque para o facto de não haver uma ponteira de escape saliente. Os pilares C, ligeiramente inclinados, trazem-nos à memória laivos de coupé. Os grupos óticos em LED apresentam um desenho tridimensional. Ao apreciarmos a carroçaria, saltam à vista agradáveis detalhes exteriores cromados. O contraste destes com os plásticos e as linhas esculpidas da carroçaria, criam um conjunto que, no global, apresenta personalidade, atribuída por um design de linhas muito característico, que o faz distinguir-se no dia a dia dos demais.

Depois há a sempre bem vinda hipótese de personalização, com 11 cores de carroçaria e três de tejadilho, que garantem um total de 24 combinações cromáticas. Estamos assim perante um modelo jovem, moderno e que não nos deixa indiferentes.

Interior 

No interior há a sensação do prolongamento das linhas direitas e definidas do exterior ao traçarmos uma panorâmica com o olhar pelo habitáculo. Este apresenta-se muito sóbrio, no casos da versão ensaiada, com materiais distintos – alguns plásticos são agradáveis ao toque, outros nem tanto (por exemplo, nos painéis e puxadores das portas convivemos com alguns plásticos espartanos). Porém, há a possibilidade de se escolher entre quatro cores diferentes para os plásticos – a contornar as saídas de ventilação, painéis nas portas, consola central e tablier – e sete tonalidades para revestimentos interiores.

Os materiais no interior fazem-nos parecer viajar entre várias gamas, com algumas zonas em preto brilhante, como na consola central e volante, a levarem a nossa imaginação para modelos de segmentos superiores.

Respira-se a sensação de um modelo de traços modernos, pensado para o dia-a-dia, numa utilização que se quer pragmática, sem descurar no entanto a estética visual. Um bom exemplo disso está, por exemplo, na possibilidade de as costas do lugar traseiro central, (em que a posição do encosto para as costas coloca-as numa posição demasiado reta que se revela pouco confortável) quando puxadas, fazerem descobrir um lugar para a colocação de dois copos e também darem acesso ao porta bagagens.

No geral, há uma boa sensação de espaço interior – tanto nos lugares dianteiros como traseiros – com cotas de habitabilidade que cumprem os requisitos de um SUV compacto. A bagageira é uma referência que, com 445l (que se estende a 1290 com os bancos rebatidos – proporção 40:60) se assume como a maior do segmento, segundo a marca. Há vários locais de arrumação, como junto do seletor, nas portas e no apoio de braços extensível entre os bancos, algo muito útil para o dia a dia.

Em termos de conectividade e infoentretenimento, o ecrã de 8” no centro do tablier revela-se extremamente intuitivo e funcional. Os sistemas de infoentretenimento de 8” polegadas podem ampliar-se com a App Connect (que integra MirrorLink, Apple CarPlayTM e Android AutoTM da Google). Além disso, a Volkswagen oferece para o novo T-Roc o pacote de serviços “Security & Service” (de série no Sport) que auxilia o condutor nas mais diversas situações. Contam-se funções como o serviço de chamada de emergência (Emergency Call), o aviso automático de acidente (Service Automatic Accident Notification) e a chamada de assistência (Breakdown Call). Em combinação com o Discover Media e através do “Guide & Inform” (de série no Style) existe a possibilidade de utilizar diversos serviços online (Online POI Search) como, por exemplo, “Importar destinos online”, “Estações de Serviço” (localização e preços), “Notícias”, “Estacionamentos” (local, disponibilidade e preços), “Meteorologia” e “Informação online de trânsito”.

Sistemas de Assistência à Condução e Segurança

Este é um dos grandes argumentos do Volkswagen T-Roc. De série destaque para o sistema Lane Assist, Front Assist com City Emergency Braking. Já entre os opcionais encontramos o Cruise Control Adaptativo, Traffic Jam Assist, Park Assist com sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, Blind Sport com Rear Traffic Alert e Emergency Assist.

Ao volante

Uma vez no lugar do condutor, parece que estamos num irmão mais velho deste T-Roc, algo que esquecemos quando olhamos para os plásticos do lado. A instrumentação é intuitiva e tem uma boa oferta de informações, comandos e funcionalidades – tanto no volante como no ecrã tátil ao centro do tablier.

O T-Roc é um modelo muito perceptível na condução, com a sua utilização a revelar-nos rapidamente as suas potencialidades e limitações. Na versão com motor 1.0l, o pequeno 3 cilindros suporta bem as exigências numa condução em ritmos calmos. Porém, a potência de 115 cv e binário de 200 Nm levam-nos a recorrer com frequência à troca de relações na caixa manual de 6 velocidades – colocando por vezes uma ou duas abaixo – para fazermos algumas ‘compensações’ – algo que principalmente se vive a baixas velocidades, circulando, por exemplo, no trânsito citadino. Também em recuperações ou ultrapassagens é necessário ter algumas precauções, devendo-se por isso preparar tais situações atempadamente. Neste caso fica a nota: o indicador digital no painel de instrumentos aconselha-nos a fazer passagens de caixa por volta das 2000 rpm, algo que desaconselhamos seguir, porque na maior parte dos casos o motor irá responder em esforço. Às 3000 rpm será por isso o mais indicado. Acima das 3500 rpm o motor mostra alguma vivacidade, mas tal influi naturalmente nos consumos.

Em momentos de maior exigência no pedal do acelerador, é com algum esforço que nos entrega tudo o que tem. Porque, convenhamos, são apenas 115 cv extraídos de um pequeno motor 1.0l, para um veículo com uma arquitetura de generosas dimensões – fica a sensação que, por mais 1785€, a motorização 1.6 TDi, também com 115 cv, será uma opção a considerar assim que disponível (a partir de janeiro pode ser encomendada, as primeiras unidades chegam em março), apesar da diferença de preço. A suspensão cumpre no dia a dia, ainda que apresente alguma rigidez em pisos mais degradados. A direção é também eficaz.

No geral, o modelo está perfeitamente enquadrado para uma utilização diária, permitindo-nos fazer uma viagem, curta ou longa, comodamente, sendo esse um grande trunfo. Seja a solo, ou com companhia, temos a certeza de ter um modelo muito verdadeiro em mãos.

Consumos

Os consumos são de 6,4l média, longe dos 5,1l anunciados. No fundo, as contingências de um pequeno motor, para um modelo com uma arquitetura de outra índole.

Motorizações e versões disponíveis

O Volkswagen T-Roc surge, para além da versão base, com dois níveis de equipamento – Style e Sport. De momento a versão base e Style está apenas disponível com o motor 1.0l a gasolina. Já a versão Sport surge associada ao bloco 2.0 TDI 4 Motion e caixa automática DSG de 7 velocidades. A partir de março do próximo ano chegará a versão 1.6 TDI.

Quando a oferta estiver completa, no total serão seis propostas de motorização: três blocos a gasolina (TSI) e três bloco Diesel (TDI). Os três níveis de potência são: 115 cv, 150 cv e 190 cv.

As versões de 115 cv (1.0 TSI) são propostas com tração dianteira e caixa manual de velocidades. Os motores de 150 cv (1.5 TSI ou 2.0 TDI) contam com a possibilidade de se selecionar tração dianteira, tração total (4MOTION) e transmissão automática de dupla embraiagem DSG de 7 velocidades. O motor a gasolina mais potente de 150 cv está equipado com a gestão ativa dos cilindros ACT (baseada na desativação automática de dois cilindros). Os dois motores de 190 cv (2.0 TSI ou 2.0 TDI) oferecem de série a transmissão de dupla embraiagem DSG de 7 velocidades e o sistema de tração total 4MOTION.

Equipamento Opcional

Neste capítulo destacamos alguns opcionais a considerar:

Pacote Inverno (362€): Alternador trifásico 140; Bancos dianteiros aquecidos; Ejetores do limpa-vidros com aquecimento; Indicador do nível de água do limpa pára-brisas;

Faróis dianteiros em LED, com luz de curva dinâmica (996€); Faróis com regulação automática; Luzes dianteiras em LED;

Suspensão desportiva (417€): Amortecedores dianteiros; Direção assistida progressiva; Suspensão desportiva;

Teto de abrir panorâmico (1141€): Espelhos de cortesia iluminados nas palas do sol; Luzes de leitura à frente e atrás; Teto panorâmico;

Pacote Style Plus (390€): Sistema de deteção de fadiga; Espelhos de cortesia iluminados nas palas do sol; Iluminação ambiente; Luz interior na zona dos pés, à frente; Luzes de leitura à frente e atrás; Inserções decorativas com moldura cromada; Pára-choques com inserções em cinzento metálico;

“Security & Service” com “ecall” (381€);

Concorrentes

À luz das medidas do Volkswagen T-Roc – que se insere no segmento dos SUV compactos – há alguns concorrentes a considerar, ainda que tenha sempre que se ter em atenção as motorizações e níveis de equipamento, que em alguns casos são ‘aproximados’ e não exatamente comparáveis. O preço da versão T-Roc 1.0 TSI 115 cv Style é 25.652€. Entre os rivais há a considerar, por exemplo: Audi Q2 Design 1.0 TFSI 116 cv com caixa manual de 6 velocidades por 30.586€; Mazda CX-3 Excellence Skyactiv-D 1.5 com caixa manual de 6 velocidades por 26.135€; Nissan Juke Tekna Premium DIG-T 115 cv com caixa manual de 6 velocidades por 23.600€; Peugeot 2008 Crossway 1.2 Puretech 130 cv com caixa manual de 6 velocidades por 21.340€; Toyota C-HR Comfort 1.2 turbo 116 cv com caixa manual de 6 velocidades por 26.110€

Balanço Final

Se quisermos um modelo que associe uma estética moderna e diferenciada, pragmatismo de utilização e agradabilidade de condução, o T-Roc é um deles. De propensão para ambientes urbanos, permite realizar viagens mais longas sem ser penalizador para os seus ocupantes. Dentro do segmento dos SUV compactos oferece espaço à altura e é muito intuitivo em estrada. Ainda que o motor seja, em certos momentos, humilde na resposta, num olhar global, as suas características acabam por amenizar esse facto. É por isso uma boa aposta para o quotidiano.

Mais: Imagem exterior e interior / Espaço / Condução

Menos: Binário em baixas / Alguns plásticos no interior

FICHA TÉCNICA

Motor

Tipo – gasolina 4 cil. Injeção direta, turbo, intercooler

Cilindrada (cm3) – 999

Diâmetro x curso (mm) – 74,5 x 76,4

Taxa de compressão – 10,5:1

Potência máxima (cv/rpm) – 115/5500

Binário máximo (Nm/rpm) – 200/2000-3500

Transmissão, direcção, suspensão e travões

Transmissão e direcção – dianteira, transmissão manual de 6 velocidades; direção ativa integral

Suspensão (fr/tr) – Tipo McPherson / Eixo de Torção

Travões (fr/tr) – Discos ventilados/Discos ventilados

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s) – 10,1s

Velocidade máxima (km/h) – 187

Consumos Extra-urb./urbano/misto (l/100 km) – 4,5/6,0/5,1

Emissões de CO2 (g/km) – 117

Dimensões e pesos 

Comp./largura/altura (mm) –  4234/1819/1573

Distância entre eixos (mm) – 2603

Largura de vias (fr/tr) (mm) – 1546/1541

Peso (kg) – 1270

Capacidade da bagageira (l) – 445

Capacidade do depósito (l) – 50

Pneus (fr/tr) – 215/55 R17